Novidades vinda do Japão – Android 4.0 Feel UX

Uma parceria entre a Sharp, fabricante de eletrônicos e a FROG, empresa de design com mais de 4 décadas de história, rendeu para o mercado de smartphones uma grande surpresa, eles apresentaram em Tókio, um redesign total da Interface do Android em uma inédita versão 4.0 – chamada de Android  4.0 Feel UX

Quer saber o que aconteceu com o Android? Então vamos assistir o videozinho e analisar juntos por parte:

Lockscreen

A lockscreen é a primeira impressão que os usuários tem de um sistema operacional, logo, ela deve ser atrativa, funcional e esta nova versão foi projetada para se associar a uma experiência já  reconhecida e familiar para o usuário.

Uma grande imagem no papel de parede com navegação horizontal e na parte inferior da tela um guia suspenso para desbloquear o aparelho, isso mesmo, você pode navegar pelos papeis de parede sem precisar desbloquear o aparelho, além de uma navegação pelos seus principais widgets, muito mais prático, simples de entender e divertido ao mesmo tempo.  Empurrando o guia revela-se atalhos para a câmera, telefone e aplicativos.

Line Home

Na homescreen do telefone você se depara com o habitual scrool vertical, mas a grande novidade é o que a Sharp está chamando de “Home 3-Line”, que por tradução livre difini como navegação horizontal (se alguém já teve contato com o Windows Phone e o Metro Style, vai reconhecer esta tal navegação horizontal).

Um pequeno deslize de usabilidade é a perda total de referência de localização dentro de um aplicativo, vou me explicar melhor: Tiraram o ícone de casinha e aqueles pontinhos da homescreen, logo, se você não tiver dentro de um aplicativo você não sabe se está na home, ou na 3ª ou 1ª pagina da sua tela, e portanto, você também não terá aquele atalho para chegar na sua home principal.

Widgets

Na apresentação, muitos usuários não entenderam onde os widgets e atalhos foram parar, eles ganharam sua própria tela, acessáveis através da passagem para a direita da tela de aplicativos, passando para mais uma tela à direita você encontrará uma tela de atalhos, alegando uma espécie de “homenagem” aos famosos widget e atalhos dando-lhes um espaço só para eles, já que é o que difere o Android de seus concorrentes. Mas aqui farei um comentário a parte, achei que ficou tão a cara do concorrente!

A desvantagens para os heavy-users (usuários avançados) é que eles não serão capazes de criar homescreen personalizadas com aquela mistura de widgets e ícones de aplicativos, porém ninguém duvida de que eles conseguirão fazê-lo mesmo assim, não é pessoal da programação???

Público Alvo

Ele foi projetado para atingir um público muito amplo, mas incluíram usuários que nunca tiveram contato com smartphones, portanto, simplicidade é a palavra chave que a Frog usou ao definir o Android 4.0 Feel UX, pensado para ser neutro , cores pouco saturadas e uma tecnologia intuitiva para não intimidar os usuários de primeira viagem, indo no passo contrario do que o Android tem feito, com iconografias não explícitas que convenhamos: não é tão simples de ser usado por alguém que nunca mexeu em um smartphone! Já o foco da Sharp neste projeto, foi a preocupação com a sobrecarga de desempenho, rolagem suave e uma experiência que eles chamam de Premium!

Mas, como fica aquele publico fiel Android? Aqueles capazes de mudar a Skin do sistema operacional sem nenhum problema? Eles podem não se sentir muito confortáveis com o apelo do Android 4.0 Feel UX, mas esta estratégia radical da Sharp junto com a Frog, vem para abranger um público muito maior de consumidores,  visando a entrada de um concorrente que promete abraçar este público carente de produtos tecnológicos simples e com qualidade que vão de preço à experiência do usuário simples e intuitiva.

Mas, e ai?

Agora, vamos à noticia que todos nos perguntamos ao ler sobre qualquer tecnologia lançada pelo mundo, “quando isso chega no Brasil?” O lançamento do Android Feel UX aconteceu este mês (Junho de 2012) no Japão, se a tecnologia andasse de avião até o Brasil demoraria umas 35 a 40 horas, mas como ela vem andando…

A Sharp ainda não vai vender este Android no estrangeiro, a Sharp vê no Feel UX um caminho possível para lançar smartphones, afinal, vocês não estranharam eu dizer que a Sharp desenvolveu um smartphone junto com uma agencia de design??? Mas ele existe! E vamos torcer para que seja um grande sucesso por lá para que eles possam ganhar o mundo e trazer muitas novidades!

Até breve.

Referências: www.frogdesign.comwww.theverge.com

Redesign do logo – Windows 8

Sei que estavamos falando sobre o sistema Metro, mas abri um novo assunto aqui por motivo importante: A Microsoft anuncia novo Logo do Windows 8. Que o windows 8 é uma repaginada total no sistema operacional da microsoft  todos nós sabemos, agora, que iriam mudar o logotipo do windows, isso sim foi uma surpresa.

O responsável pela apresentação do novo logo foi Samuel Mureau, no blog do Windows, inteiro dedicado ao sistema operacional. Sam é um dos principais diretores de User Xperience do Windows, Windows 7, Windows Live e Internet Explorer.

Para ajudar sua equipe com a sua nova identidade o windows contou com a ajuda de um grande nome no mundo do design – a “Pentagram” – uma consultoria de design com escritórios em Londres, Berlim, Nova York e Austim. Eles assinam campanhas de grandes nomes como: benetton, princeton university e grandes museus como: “the guggenhein”, “museum of arts and design”, “art institute of Chicago”. Basta dar uma olhadinha no site e ver uma grande lista de marcas. “A escolha da Pentagram se deu por seu senso de design gráfico clássico, que se encaixou perfeitamente nos princípios de projeto do Metro”. Diz Sam.

O novo logo do Windows 8 reflete os princípios do design Metro e segue algumas premissas como: Ser moderno, limpo e autenticamente digital, além de ser uma grande oportunidade para conectar todas as versões anteriores do logo do windows.

Sam Apresenta no Blog uma linha do tempo contando a evolução dos logos e os sistemas operacionais. Vale a pena dar uma olhadinha e ficar por dentro do que acontece com o Windows, pois a Microsoft anda investindo pesado para continuar no topo e não perder espaço para outros sistemas operacionais.

Grande abraço à todos e até breve.

O que há por trás do Windows Phone?

Este tópico merece um breve parênteses: Quando começou-se a pensar em sistemas operacionais para usuários (neste caso vou falar sobre a história de interface do Windows), foi pensando em transportar situações reais para o mundo virtual:

As imagens eram “esquimorfismos” do mundo real, tudo deveria se parecer como era visto e conhecido no mundo físico para ilustrar, uma metáfora do mundo tangível.

Com a evolução dos sistemas operacionais e a capacidade superior de reinderizar imagens, estas metáforas foram muito além de apenas se parecerem com as coisas reais, o mundo físico estava dentro dos nossos computadores, a ponto de se inserir texturas, brilhos, luzes e não diferenciarmos o real do virtual, os botões tem texturas de gloss, de couro e metal ficaram tão reais que não podemos mais diferenciar de algo criado no programa de imagem de algo real.

Hoje, muitas coisas que existem no mundo virtual não tem representação física no mundo real, e como criar uma nova comunicação para isso? Como representar estas novas idéias, como o Twitter, Facebook, orkut, linked in? Isso não existe na vida real. O que acontece hoje é uma inversão de informações. Mudanças de expressões que vem do mundo virtual para o mundo físico (certa vez ouvi uma criança de aproximadamente 2 ou 3 anos no shopping apontando para um passarinho de dizendo: um twitter mamãe! – Isso para mim foi a prova de que estamos mudando nossas expressões e nosso modo de ver o mundo, em breve nosso mundo será de dentro da caixinha para fora. Será?)

Precisamos repensar as coisas que fazem sentindo, o que e como as pessoas se movimentam no mundo virtual, temos muitas informações, podemos encontrá-las com muita rapidez e eficácia, o desafio agora é como organizar e distribuir estas informações de modo a tê-las sempre à mão de maneira simples e fácil de serem encontradas. As informações que nos interessam deve estar sempre à nosso vista! Este foi o desafio que o Windows Phone propôs ao designers de sua equipe, que com princípio de design inspirado no sistema gráfico suíço e buscando inspiração nas superfícies de interação e interface de touch surge um sistema gráfico de navegação centrado na representação das informações.

Com base na simplicidade e na eficiência dos sistemas de signos suiços foi criado os Princípios do Design Metro:

– Limpeza;

– Clareza;

– Rapidez;

– Liberdade;

– Tipografia;

– Movimento;

– Conteúdo;

– Autenticidade Digital.

ICONOGRAFIA

que antes eram para representar as coisas tal qual elas eram, hoje serve para referenciar, com foco na manipulação e facil organização do conteúdo.

INFOGRAFIA

Conteúdo deve ser interativo, com foco nas pessoas, lugares e dados com informações que o usuário seleciona como relevante. Concentração total na informação e na interação com o conteúdo.

ICONOGRAFIA vs. INFOGRAFIA

Nesta imagem, identifique qual sistema usa iconografia e qual usa infografia;

No próximo post, vou mostrar para vocês as diferenças de UI (Interface do Usuário) do Windows Phone e suas peculiaridades.

Como é a  e como aplicar a UI do Windows Phone detalhadamente.

Um abraço e até o próximo!

Uma nova conversa – sobre o Windows Phone.

Olá pessoal.

Inicialmente gostaria de desejar feliz ano novo à todos, que 2012 seja um ano de muitas conquistas e conhecimentos para todos nós!!!

Este início de ano como havia prometido vou trabalhar assuntos variados sobre design de interação e gostaria de começar com o Windows Phone.

Pretendo deixar bem simples o processo de criação e todo o e desenvolvimento baseado no sistema metro do Windows Phone, explicar como funciona, como usar os elementos da melhor maneira possível e como aproveitar o sistema organizado e metódico do Windows phone para fazer coisas legais e bem diferentes.

Agora, vamos ao que interessa, nosso post inicial:

  1. Métodos, Linguagens e Princípios de Design do Sistema “Metro”;

Nos referimos a “Metro” como o design de interface que a Microsoft está usando no sistema operacional do Windows Phone e que será usado no Windows 8 (para desktop e tablet). O sistema “Metro” são os pilares que orientam a criação de experiências do usuário da Microsoft. A linguagem “Metro” é um conjunto de interações com o usuário, que incluem design visual, movimento, regras e fluxos de informações dentro de uma aplicação.

Por que eu usei Sistema e Linguagem em situações diferentes? Explicando de uma maneira bem simplista fica assim: “O Sistema “Metro” são conceitos, a Linguagem “Metro” é a manifestação concreta do conceito.”

No próximo post falarei sobre:

• O que há por trás do Windows Phone?

%d bloggers like this: