O que há por trás do Windows Phone?

Este tópico merece um breve parênteses: Quando começou-se a pensar em sistemas operacionais para usuários (neste caso vou falar sobre a história de interface do Windows), foi pensando em transportar situações reais para o mundo virtual:

As imagens eram “esquimorfismos” do mundo real, tudo deveria se parecer como era visto e conhecido no mundo físico para ilustrar, uma metáfora do mundo tangível.

Com a evolução dos sistemas operacionais e a capacidade superior de reinderizar imagens, estas metáforas foram muito além de apenas se parecerem com as coisas reais, o mundo físico estava dentro dos nossos computadores, a ponto de se inserir texturas, brilhos, luzes e não diferenciarmos o real do virtual, os botões tem texturas de gloss, de couro e metal ficaram tão reais que não podemos mais diferenciar de algo criado no programa de imagem de algo real.

Hoje, muitas coisas que existem no mundo virtual não tem representação física no mundo real, e como criar uma nova comunicação para isso? Como representar estas novas idéias, como o Twitter, Facebook, orkut, linked in? Isso não existe na vida real. O que acontece hoje é uma inversão de informações. Mudanças de expressões que vem do mundo virtual para o mundo físico (certa vez ouvi uma criança de aproximadamente 2 ou 3 anos no shopping apontando para um passarinho de dizendo: um twitter mamãe! – Isso para mim foi a prova de que estamos mudando nossas expressões e nosso modo de ver o mundo, em breve nosso mundo será de dentro da caixinha para fora. Será?)

Precisamos repensar as coisas que fazem sentindo, o que e como as pessoas se movimentam no mundo virtual, temos muitas informações, podemos encontrá-las com muita rapidez e eficácia, o desafio agora é como organizar e distribuir estas informações de modo a tê-las sempre à mão de maneira simples e fácil de serem encontradas. As informações que nos interessam deve estar sempre à nosso vista! Este foi o desafio que o Windows Phone propôs ao designers de sua equipe, que com princípio de design inspirado no sistema gráfico suíço e buscando inspiração nas superfícies de interação e interface de touch surge um sistema gráfico de navegação centrado na representação das informações.

Com base na simplicidade e na eficiência dos sistemas de signos suiços foi criado os Princípios do Design Metro:

– Limpeza;

– Clareza;

– Rapidez;

– Liberdade;

– Tipografia;

– Movimento;

– Conteúdo;

– Autenticidade Digital.

ICONOGRAFIA

que antes eram para representar as coisas tal qual elas eram, hoje serve para referenciar, com foco na manipulação e facil organização do conteúdo.

INFOGRAFIA

Conteúdo deve ser interativo, com foco nas pessoas, lugares e dados com informações que o usuário seleciona como relevante. Concentração total na informação e na interação com o conteúdo.

ICONOGRAFIA vs. INFOGRAFIA

Nesta imagem, identifique qual sistema usa iconografia e qual usa infografia;

No próximo post, vou mostrar para vocês as diferenças de UI (Interface do Usuário) do Windows Phone e suas peculiaridades.

Como é a  e como aplicar a UI do Windows Phone detalhadamente.

Um abraço e até o próximo!

%d bloggers like this: